Vídeos

Cirurgia de hemorróidas por grampeamento (PPH) / Stapled hemorrhoidopexy

RETOSSIGMOIDECTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA POR MEGACOLÓN CHAGÁSICO

Junto com o megaesôfago chagásico, o megacólon representa uma complicação digestiva crônica da infestação pelo T.cruzi. Caracteriza-se pela constipação grave que leva o paciente frequentemente à necessidade de uso de enemas e laxantes.

O tratamento cirúrgico está indicado quando há complicações (volvo e fecaloma) ou quando há impacto importante da doença sobre a qualidade de vida impedindo as atividades cotidianas de trabalho, estudo ou lazer.

Na colopatia chagásica, todo o intestino grosso está acometido. Porém a denervação é mais grave no reto. Por isso, o tratamento cirúrgico implica em remover o reto ou deriva-lo do trânsito intestinal.

Até ha pouco tempo, e mesmo ainda em muitos centros, as operações para o megacólon chagásico envolvem um tempo abdominal e um tempo perineal para a construção de anastomoses colaterais baixas ou mesmo coloanais.

A retossigmoidectomia videolaparoscópica com anastomose colorretal na face posterior do reto extraperitoneal representa uma opção minimamente invasiva pois é uma operação totalmente abdominal e associada e baixo risco de complicações imediatas ou tardias. Além disso, os resultados funcionais imediatos e tardios dessa operação são bastante favoráveis.

(Esse vídeo faz parte do material didático do Curso de Especialização em Coloproctologia do Hospital Israelita Albert Einstein)

LAPAROSCOPIC SURGERY FOR CHAGASIC MEGACOLON

Along with megaesophagus, megacolon represents a chronic digestive complication of the infestation by T. cruzi. It is characterized by severe constipation that often leads patients to the need for use of enemas and laxatives.

Surgical treatment is indicated when there are complications (volvulus and fecal impaction) or when there is a significant impact over the quality of life by preventing the daily activities of working , studying and leisure.

In Chagas colopathy, the whole large intestine is affected. However denervation is more serious in the rectum. Therefore, surgical treatment involves removing the rectum or derives it from the intestinal transit.

Until recently, and also in many center in these days, surgery for chagasic megacolon involve an abdominal and a perineal phase in order to accomplish a low colorectal or a colonel anastomosisl.

Laparoscopic rectosigmoidectomy with colorectal anastomosis in the posterior wall of the extraperitoneal rectum is a minimally invasive option as represents a completely abdominal operation. This technique is associated with low risk of immediate or late complications. Moreover, the immediate and late functional results of this operation are very favorable.

VAAFT COM AVANÇO DE RETALHO MUCOSO PARA A CURA DA FÍSTULA ANAL

especialização em Coloproctologia

Na cirurgia da fístula anorretal, a busca de um procedimento minimamente invasivo levou à proposta do tratamento cirúrgico vídeo-assistido da fístula anal (VAAFT).

Na medida em que o sucesso do tratamento cirúrgico da fístula anorretal depende primordialmente do achado do orifício de abertura interno da fístula localizado ao nível da cripta doente, o procedimento VAAFT tem como principal característica o uso de um fistuloscópio buscando a localização correta do orifício interno bem como o estudo do trajeto fistuloso à procura de coleções ou trajetos acessórios. 
Os benefícios da técnica são não lesar o esfíncter anal e produzir uma ferida operatória de tamanho reduzido.

Por fim, ressaltamos a necessidade de que seja escolhida uma boa estratégia para o tratamento do orifício interno, princípio do tratamento cirúrgico da maior importância na cura da fístula anorretal. No presente vídeo, a técnica de avanço de retalho mucoso foi empregada.

(Operação realizada no Hospital Municipal Moysés Deutsch – SP – como parte do conteúdo didático do Curso de Pós-Graduação em Coloproctologia do Hospital Albert Einstein – SP)

Colectomia direita com anastomose intracorpórea

Drs. Sergio Araujo e Victor Seid

Durante algum tempo, a colectomia direita não era considerada uma boa indicação para a via de acesso por vídeo.
A necessidade de realização de uma incisão abdominal mediana ou transversa para a exteriorização do espécime e a necessidade de se empreender uma etapa através dessa incisão (a confecção da anastomose) representavam os principais motivos pelos quais as vantagens atribuídas à colectomia direita por vídeo eram consideradas discretas quando comparada à cirurgia convencional.

Associadamente, tumores grandes requeriam uma incisão de extração maior.

No entanto, a prova do tempo demonstrou exatamente o oposto.

A realização de uma operação totalmente laparoscópica possibilita que uma incisão de serviço seja feita em um local diferente da linha média, por exemplo na região suprapúbica, o que torna essa incisão mais cosmética e segura.

Associadamente, prescindir da exteriorização do espécime por meio de uma incisão ao se realizar uma operação totalmente laparoscópica resulta em diminuir a extensão da dissecção normalmente realizada.

Por fim, o domínio da confecção das anastomoses intracorpóreas pelos cirurgiões colorretais novamente vem a serviço do paciente na medida em que também esse importante tempo operatório pode ser gravado e documentado, o que é de especial importância para a condução dos casos onde complicações infecciosas da anastomose ocorrem.

No presente vídeo, demonstra-se a realização de uma operação de colectomia direita totalmente laparoscópica por neoplasia do cólon direito em paciente obesa. Cuidados técnicos específicos para a videocirurgia colorretal oncológica em pacientes obesos podem ser avaliados. Por exemplo, a retirada da peça por uma incisão auxiliar foi executada antes da confecção da anastomose, o que trouxe facilidade para a reconstrução do trânsito.

Assim como outros cirurgiões defendemos a realização da colectomia direita totalmente laparoscópica rotineiramente e, sobretudo para os pacientes obesos, maiores beneficiados pela técnica.

RETOSSIGMOIDECTOMIA VIDEOLAPAROSCÓPICA POR DIVERTICULITE DO CÓLON SIGMÓIDE

Cerca de 15% dos pacientes com divertículos no intestino grosso evoluirão com uma ou mais crises de diverticulite aguda.A despeito de ser a diverticulite uma condição de tratamento eminentemente clínico e associada a sucesso em 80-90% dos casos, novamente, cerca de 15% dos pacientes irá evoluir com uma crise grave (com formação de abscesso ou peritonite difusa) ou com crises recorrentes. é quando o tratamento cirúrgico se impõe.No presente vídeo, demonstra-se a realização do tratamento videocirúrgico da diverticulite do sigmóide em um paciente do sexo masculino e obeso, que evoluiu com sucesso após o tratamento incruento da diverticulite do sigmóide complicada por abscesso, mas que permaneceu com sintomas após a resolução da crise aguda.

 

Near 15% of patients with large bowel diverticular disease will evolve with one or more attacks of acute diverticulitis.Despite being a condition successfully managed with medical treatment in 80-90% of cases, again, approximately 15% of patients will develop a severe attack (with abscess formation or  diffuse peritonitis ) or pain recurrence. In these cases, surgery is indicated. In this video, it is demonstrated a case of sigmoid diverticulitis complicated by an abscess which was initially managed successfully in an obese male patient. However, symptomatic recurrence led to surgery which was accomplished laparoscopically.