Ocorrência de câncer do reto aumenta entre jovens

Um estudo comprova aumenta a ocorrência do tumor entre jovens americanos com menos de 40 anos

A incontinência fecal é igualmente prevalente entre homens e mulheres.

O estudo foi realizado no New York-Presbyterian Hospital/Weill Cornell Medical Center, em Nova York. Os autores analisaram dados extraídos do registro de cancer Americano US Surveillance Epidemiology and End Results (SEER) entrée 1973 e 2005. Estima-se que o SEER detém dados de cancer de cerca de 26% dos casos Americanos. Os autores observaram que a incidência de câncer do reto e do retossigmóide aumentou signifcativamente entre os indivíduos com menos de 40 anos.

HÁ DOIS ASPECTOS IMPORTANTES RELATIVOS A ESSES RESULTADOS:

  • O principal sinal do câncer do reto é o sangramento pelo ânus. Porém, a principal causa para esse sinal é a doença hemorroidária, a qual não tem nenhuma relação de causa e efeito com o câncer do reto. Apesar de o sangramento retal não justificar a indicação da colonoscopia nesses pacientes, a avaliação endoscópica do reto e do sigmóide (retossigmoidoscopia) continua sendo imprescindível nesses pacientes, e
  • O rastreamento do câncer colorretal não está indicado para indivíduos com menos de 40 anos pela maioria das diretrizes societárias, exceto na presence de uma parente de primeiro grau diagnosticado com câncer colorretal.

Apesar de a causa para o achado de uma maior proporção de câncer do reto entre indivíduos com menos de 40 anos ser desconhecida, o generalista ou o especialista podem sempre contribuir para salvar vidas, uma vez que o diagnostic precoce persiste como a intervenção mais eficaz para garantir a cura dessa doença. Essas constribuições são:

1. encaminhar para a retossigmoidoscopia pacientes com sinais de sangramento retal ou alteração do hábito intestinal, a despeito da idade e sexo, e

2. investigar a história familiar de pólipos ou de câncer do intestino, sempre.

92B8

Increasing incidence of rectal cancer in patients aged younger than 40 years: an analysis of the surveillance, epidemiology, and end results database.
Meyer JE e cols. Cancer. 2010;116(18):4354-9