ASPIRINA PARA A PREVENÇÃO DO CÂNCER DO INTESTINO: BOM OU RUIM?

 

Aspirina para a prevenção do câncer do intestino

 

O ácido acetil salicílico (aspirina) tem sido recomendado para a prevenção primária do câncer do intestino.

No entanto, mas os benefícios globais ainda estão por ser demonstrados. O principal efeito deletério dou tóxico associado ao uso rotineiro da aspirina resulta de sua agressão ao trato digestivo alto.

Sutcliffe e cols, em edição recente da PlosOne, realizou uma revisão sistemática. Dos 2.572 documentos potencialmente relevantes, 27 preencheram os critérios de inclusão. 

 É verdadeiro que os efeitos benéficos resultantes do uso de aspirina foram mais marcantes para a mortalidade por câncer do intestino com um OR (odds ratio) de 0,66 ( IC 95 % 0,9-1,02 ). Em estudos onde a aspirina foi administrada a cada dois dias, as estimativas de incidência de câncer do intestino tornaram-se não-significativas em relação aos indivíduos que não tomaram aspirina. Houve elevada (superior a 30%) ocorrência de efeitos maléficos gastrointestinais (gastrite, úlcera e sangramento) para o grupo que tomou aspirina nos estudos analisados. 

Os resultados indicam pequeno impacto absoluto da aspirina. As estimativas para a redução da ocorrência e mortalidade por câncer do intestino dependentes do uso da aspirina ainda são inconclusivas. Mais estudos são necessários para definir as populações que poderiam se empregar da prevenção primária com a droga.

Referência:

Sutcliffe e cols. PLoS One. 2013 Dec 5;8(12):e81970. doi: 10.1371/journal.pone.0081970. eCollection 2013.Aspirin in primary prevention of cardiovascular disease and cancer: a systematic review of the balance of evidence from reviews of randomized trials.