Antiinflamatórios, Aspirina, Corticóides e Opiáceos Aumentam o Risco de Complicações em Indivíduos com Divertículos

Medicações comuns contribuem para elevar o risco de complicações infecciosas (divertículite) e hemorrágicas.

 

A doença diverticular se refere à presença de divertículos no intestino grosso.

 

Mais comumente relacionados à idade e à constipação intestinal, estima-se que a maioria das pessoas (aproximadamente 75%) nunca terá problemas relacionados aos divertículos.

No entanto, cerca de 25% da população com divertículos no intestino experimentará complicações. São elas a diverticulite e o sangramento.

 

Geralmente, uma dieta rica em fibras é recomendada para indivíduos com doença diverticular com o objetivo de reduzir o risco de complicações. Porém, a evidência científica sobre a eficácia desse expediente é controversa.

 

No estudo publicado por Kvasnovsky e cols. no periódico internacional Coloretcal Diseases, foi realizada uma revisão da evidência científica reunida a partir de 23 artigos científicos sobre o papel de medicamentos comuns sobre o risco de complicações da doença diverticular.

 

Os resultados foram os seguintes:

  • Antiinflamatórios, aspirina, esteróides e opiáceos aumentam o risco de complicações infecciosas em pacientes com divertículos no intestino grosso, e

  • Antiinflamatórios, aspirina e paracetamol aumentam o risco de hemorragia digestiva por doença diverticular

 

Antinflamatórios, esteróides e aspirina são medicações de uso muitas vezes corriqueiro por muitos indivíduos. Pacientes com diverticulose merecem atenção e restrições ao uso dessas medicações.

 

92B8Increased diverticular complications with NSAIDS and other medications: a systematica review and meta-analysis. Kvasnovsky e cols. Int J Colorectal Dis 2013; Dec 9 – [Epub ahead of print]